Encontro – A experiência de um brasileiro no campo de refugiados: a perda do poder de escolha como consequência da desintegração dos DH

Edgar Raou durante a explanação
Edgar Raou durante a explanação

Em face da tradição das políticas externas do governo brasileiro em participar de ações humanitárias, como, por exemplo, o atual programa de recebimento dos refugiados sírios, o presente evento consiste em questionar a visão social (negativa) brasileira em relação à cultura árabe/muçulmana, a fim de que a desconstrução de esteriótipos e ideias fixas promovam e ratifiquem a integração social.

Para isso, trazemos o produto da ação de um brasileiro, que têm dedicado os seus esforços em experiências internacionais, no sentido de perceber o relativismo cultural in loco, como forma de legitimação das diferenças entre indivíduos de outras nações.

O presente tema resume-se a uma intensa tentativa do expositor Edgard Raou, que viveu entre os meses de novembro de 2015 e abril de 2016 uma imersão referente à atual crise dos refugiados relacionados à guerra na Síria, de transportar as conquistas cartográficas – referentes aos direitos humanos – para a realidade enfrentada pelos refugiados, sendo assim, um mediador entre esses e as autoridades/voluntários/população local.

Durante seis meses, Edgard viajou – e foi testemunha em relação à violação dos direitos humanos – por todos os países que compõe “oficialmente” a rota dos refugiados, quais sejam: Turquia, Grécia, Macedônia, Sérvia, Croácia, Eslovênia, Áustria, República Tcheca, Alemanha; Palestina, Jordânia, Líbano e Síria.

Diante de sua iniciativa pessoal e integralmente independente, o grande destaque de sua ação foi perceber a crise na perspectiva de um refugiado, quando decidiu viver como se fosse um deles, na Europa. E foi neste momento que Edgard se deparou com a avassaladora realidade de se perder o poder de escolha e a desilusão frente aos direitos humanos.

Já no Oriente Médio, além de investigar os locais oficiais e não oficiais em que os refugiados têm se estabelecido temporariamente, Edgard se depara com a desintegração do conceito hegemônico dos direitos humanos, considerando que a emancipação social se dá por vias diversas.

O Encontro tem como objetivo fundamental a exposição (por meio de mídias e testemunhos) da realidade vivida pelos refugiados, além da reflexão sobre a perda do poder de escolha e o monopólio da violência dos Estados e grupos independentes. Trata-se de evento destinado a toda comunidade acadêmica, bem como quaisquer pessoas interessadas na temática acerca dos refugiados.